Visitas

Ver-te assim, tão purpurina
Arlequina improvisada
Só sorrisos, alegria

Mascarada e desenganada
Noutros passos e compassos
Desfila a melancolia

Visto a minha fantasia
De retalhos de saudades
E vou chorando esta marchinha

Ah, neste meu bloco do eu sozinho
Sem confete ou serpentina
Só bate o bumbo lento do meu coração

No carro alegórico és de todos
Mas no meu porta-retratos
Serás sempre o meu destaque

Nenhum comentário:

Postar um comentário