Visitas

Fico imaginando como seria
A vida na lua, distante e fria
Sozinho e sem companhia
Mas tão em paz, em harmonia

Nos dias em que estivesse feliz
Passearia pela superfície branca de giz
E gris
Vendo de longe os ardis
Distante de quem me quer infeliz

Mas se porventura a gran’ meretriz
Vier a tristeza meter o nariz
Naquilo que não lhe respeito diz
Salto sem peso e depressa
Pra sua face inconfessa
E a tristeza sombria
Na sombra maior esvaneceria

E nós dois taciturnos
De frete pro Espaço
Sozinhos num abraço
De corações noturnos

A lua também fica triste
Mas ninguém pode ver — ela insiste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário