Visitas

Pela fria vidraça do meu desengano
Perpassa e causa dano
Teu duro olhar translúcido
De lúcida indiferença

Estilhaça a vítrea razão
O silêncio sem compaixão
Que me lanças à distância
Ânsia da carne exposta

Ao altar escuro de meus sacrifícios
Não chega a luz deformada pelo vitral
E soterro-me em malefícios
Não me protege teu corpo - catedral

As lascas e os estilhaços
Encontram-me aos pedaços
Por sobre os quais caminharás
E então, assim, te machucarás

Nenhum comentário:

Postar um comentário