Visitas

Não é a fantasia insana e redentora
De te criar mil vezes em mil corpos
De te vestir e despir das roupas que eu quero
Não é a loucura frágil de te carregar comigo
Por onde quiser a imaginação
Não é essa a minha angústia
Não me tortura essa preocupação

O que treme as mãos e derruba o copo
O que me embaça a vista e derrama a tinta
O que me faz nefasto e me lança ao poço
É saber que a verdade da tua existência
É a mentira com que me deito toda a noite

A arte que te produz
A mente que ainda resiste
A vida que desilude

Teu corpo é só o vento
Que passa a janela quebrada


Fantasmas da tua nudez

Nenhum comentário:

Postar um comentário