Visitas

Quando te amo e odeio barroca
Luzes de olhares, trevas ao negares
Me desfiguras em informes tintas
Surreal lista de desejos — pesadelos

Se te me conformo, parnasiana
Ausenta-te dos sentidos que te dei
Pós-moderna insignificância
A qualquer relevância aos traços teus

Não respeitas sequer a moça
Galega à fonte qu'esper'o amigo
Qualquer trovador de estrada
Que não seja eu, o de trovas não lidas

Meu expressionismo azul
Não te impressiona
Relação niilista
Dadá

Cro(não)logia

Nenhum comentário:

Postar um comentário