Visitas

Ao ver-te ao verde
Trás das grades
Traz das grades
Todo o flerte
Aprisionado e encarcerado
Nessa escura cela e sela
O desencontro ao que me afronto
Entre a luz de dentro tua
E o  breu de fora, crua
Carne viva que transborda
E reborda colorido o vitral
Do verde fora
Ao ver-te agora
Em gozo e choro seminal

Nenhum comentário:

Postar um comentário