Visitas

Ah, que distância...
Em que instância
Voltaremos a nos ver
De longe
Ao toque dos olhares frios
A provocarmos calafrios
Cala, não responde!

O tempo que perpetua
Toda a tua figura nua
Ainda tatuada
Em minha pele
Escalpo de amor e ópio
Ilude-me a droga
Que já me falta ao sangue:
Teus fluidos

És tão mais bela em preto e braco
Cor funérea da memória
É mais salgada em meu pranto
Que já escorreu por tuas dobras
De sinos
De sisos
Morte e vida
Indecisos

Tomo coragem e voo
Mas não tenho asas
E me resta o chão
Que é o fim
Desta paixão

Nenhum comentário:

Postar um comentário