Visitas

Abolo todo amor
Que não coloro
Com a tua aquarela
Demolo todo corpo
Que não esculpo
Da tua pele

Bano qualquer beijo
Que não discirna teu
No qual submerja
E se exaura meu desejo

Explodo esse teu não
Doo no teu coração
Ruo as fantasias
Floro as agonias
Desmeço-me em tuas medidas

Sou teu amante defectivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário