Visitas

Não vês
Mas a cada vez
Que passas a meu lado
Lanço-te do alto
Deste meu sonho inflado
De paixão, tão enganado
Uma folha, um poema
Um coração desenhado

Mas vais tão mais veloz
Que a poesia que te lanço verde
Cai no chão, amarela e seca
E fico só
Rodeado de folhas — e de papel
À espera da estação
Com que então terei mais folhas — de papel
E tu, se passares, mais poemas
Meus pesares...



Nenhum comentário:

Postar um comentário