Visitas

Quando fiz-te ruiva
Das madeixas outonais
Buscava em cada sarda
O desenho da minha
Constelação

Mas as estrelas só podiam
No céu à noite brilhar
E fiz-te negra
Infinitamente amor
E perdi-me em teu sorriso imensidão

Surgiu um sol de raios áureos
Amarelos, incandescentes fios
Cegou-me a lourejante
Luminescência
E só pude entregar-me à tua luz

Que com o tempo amansou
E do calor abrasou
A pele e acabou o ardor
De que tudo a morenou
E moreno o amor ficou

Tens tudo o que todas têm
Vês tudo o que todas vêm
E nenhuma me vê a mim
Que te enxergo tão plural
Tão inalcançavelmente
Descomunal...

Nenhum comentário:

Postar um comentário