Visitas

Perdoa, você sabe como é
Essa deliciosa sina, ser mulher
Amar e desamar, simples assim
Ser incompreendida até o fim
De cada amor, de cada estrada
De cada um

Talvez seja só eu que não aprendi
A ser a Colombina do Arlequim
Nem sempre eu sei dizer o que se passa
Quando você me abraça

Me entrego sem razão ao teu querer
É grande o medo de te perder
Não liga, desconversa e disfarça
Mas ama esse meu louco disfarce
De ser pra sempre a incerteza
De ser a tua amada e arrebatada
De paixão, amor e eterna
Profundeza

Nenhum comentário:

Postar um comentário