Visitas

Às vezes me confundo
Entre o coveiro e o defunto
Quando enterro as esperanças
E me soterro de lembranças

Só a coruja
Que perscruta
Talvez saiba a diferença
Entre a dura indiferença
E a bruta
Garatuja

Nascer no cemitério
— a morte toda pra viver
Morrer no batistério
— a vida inteira pra morrer

Eis o mistério
De nunca te pertencer

Nenhum comentário:

Postar um comentário