Visitas

A má fama que tem
O coração de marinheiro
Que navega enquanto bate
E não aporta pra ninguém

Deixa náufragos em terra
Amores que no mar enterra
Mas que dos quais nunca se esquece
As ondas marulham nomes...

Isso dizem os poetas
Que a seu modo são marujos
Uma musa, um poema
E já se busca um outro intrujo

No fundo d'alma-oceano
O que deseja, se não me engano
É ao lado de um único amor
Amar a mar

Foi um velho pescador
Quem contou-me esses versos
Tirados de dentro de um peixe
Talvez fosse um namorado

Nenhum comentário:

Postar um comentário