Visitas

E então chegou o dia em que tu foste
Sem aviso, supetão, triste, toste
Chovia, eu bem me lembro
Chovia fora, aguava dentro

A neblina cobriu o céu, cobriu o sol
Cerrou a esperança e o teu aceno
Que não veio
Pois que eu só imaginei-o

Fiquei vazia, oca
Gritei por cada cômodo, rouca
Vaguei por cada canto, louca
Mouca, não ouvi a despedida

Faz tanto tempo... a grama já cresceu
Cá dentro o vento... uma janela que cedeu
Cansou-se, como eu, de esperar
A cerração também me abandonar

De velha a ponte já ruiu
Rangeu como o assoalho
E não há nenhum atalho
Em que se me divirta um carril

Escura, velha, desprezada
Casa vazia
Tornei-me, mal
Assombrada...




(Foto A. Malta, In Fotografias do Rio de Ontem; Coleção Memória do Rio Vol. 7. Foto do Colégio Santa Inês)

Nenhum comentário:

Postar um comentário