Visitas

Vem
Singra cada onda
Desse mar de desejo
Vagas que se curvam
Em arquejos de sal e suor
Cardumes de beijos

Atravessa a tempestade
O veleiro ao vento
Que as velas infla e rasga
— vestes da nau —
E apaga e ao escuro nos lança
Qual de nós, capitão,
Tem na mão o corpo e o timão?

Vai
Sangra as dunas
Oceano de areia seco
Tom de pele — a minha
Com o leme da escuna
Que me rasga o leito
Acaricia o peito
E me naufraga ao sol
Que bate na janela
Escotilha da embarcação
Que fui
Ao fundo do mar
E da cama

Alga marinha
Algo sozinha
A correnteza leva
A corrente prende

Escuridão abissal...

Nenhum comentário:

Postar um comentário