Visitas

Sou aquela que guarda
O segredo da resposta
Sou aquela que aguarda
A tua pergunta, descomposta

Sou aquela que te enreda
Mas metáforas do oráculo
Diásporas dos sentidos
Absurdos do vernáculo

Sou aquela que segreda
Os pecados proibidos

Speculum speculorum

Sou mais breve que a eternidade
Sou eterna brevidade
Sou o verso do reverso
Sou aquela que declama – e ama – inversos

Sou aquela que, fingida, foge
Sou aquela que fugida, finge
Sou aquela que transige
O que mais te aflige

A fuga é um refugo tão fugaz...

Foge!, sem nada ter compreendido
Quando eu me for, terás sabido
Que sou aquela, a ex que finge
Que não é ex; finge,
Tu também...


Nenhum comentário:

Postar um comentário