Visitas

O peito é oco
— O coração vazio
Ainda assim ecoa
De um lado a outro
Teu nome rouco
— De tantos gritos

Que rebate no reboco
Se debate como louco
Por pouco não sufoco
— Cardioclaustromonofóbico

Todo defunto é mouco
Na caixa de vidro
A borboleta voa aflita
No caixão de cedro

Quanta agonia
Debaixo da terra
Depois que se enterra
Aquele que erra
E que era
O nosso
Amor

Nenhum comentário:

Postar um comentário