Visitas

Você é castelo de areia — fina
Escorre com o tempo e some
Desaparece em qualquer marola

Eu sou castelo de cartas
Tão difícil manter o equilíbrio...
Desabo com qualquer brisa

Duas fortalezas
Desde o início – certeza!
Feitas para ruir
Fazer sucumbir
Eu, seu rei, em masmorra de lama
Você, minha dama, sob um monte de cartas

Jogo sujo em que ninguém vence

Só escapa do escombro o valete
De argila - cerâmica - seca
Em quatro naipes caiu e quebrou

Era o amor entre nós
O que trai à noite o rei
E abandona à manhã a rainha

Quem fica com o morto?


Nenhum comentário:

Postar um comentário