Visitas

À esquina, sob a neblina
Que torna a rua difusa
Esguia
Esgueira-se o vulto da menina
Que por mim perpassa etéreo
Perplexo e funéreo
E some à névoa que a engole
E digere
E me desaparece
Aos olhos de quem vive
Nas nuvens

O fantasma era eu
Uma gota na garoa
A garota que morreu

Cerração



Nenhum comentário:

Postar um comentário