Visitas

Sou a puta mais à toa
A rameira que toda noite
Vem à tona e beija
Tua boca átona proibida

Sou a vadia da anca harmônica
Do gozo crônico e sincrônico
— Não sei bem se minto ou sinto —
E coração triste e afônico

Venho nua com a lua
Vou a giro com o sol
Já não quero mais teus réis
Quero mais o teu sorriso

E se pra isso for preciso
Abro mão dos aluguéis
Acordo à cor do arrebol
Dou adeus ao álcool
E a Deus a pua

Amanhã em tua cama
Nova noite, lua nova
Diz que sou a tua dama
E que ainda me queres
Cortesã


Nenhum comentário:

Postar um comentário