Visitas

Sei que já não há estrelas
Na noite que te recobre e veste
E que já não há mais beijos
Como aqueles que me deste

Mas o jardim em que descansas
Não se esqueceu de ti
E, por apiedar-se de mim,
Improvisou essas lembranças

Deu-me as rosas dos teus olhos
Com as cores do teu corpo
O perfume do teu nome
Assobiaram os rouxinóis

Então vieram os vagalumes
E desenharam o teu sorriso
Iluminaram de improviso
Do coração meu o negrume

Juntei-os todos e os guardei
Num jarro antigo que eu te dei
Troquei os doces e os confeitos
Por saudades no meu peito

Hoje não dormirás sozinha
Recoberta de jardim
Com a luz dos vagalumes
Ao teu lado
Para sempre
Deitarei

Quem sabe um dia nós também
Viremos lume e vaguemos
No jardim de outro alguém...




Nenhum comentário:

Postar um comentário