Visitas

Não sei bem se é essa sede
Ou se nasceu em mim esse desejo
Pelo mármore do teu pescoço
Raiado de artérias, veias — mapa

Poderia ser, quem sabe, só paixão
Mas se não bate o coração...
Então que seja só o tesão
De uma fria e morta fêmea
Que vem da fenda indiscreta
Das pernas torneadas
E da tampa do caixão

Se me viras o rosto
Mais bela ficas de perfil
Se me dás as costas
Tão mais anseio teu quadril

Um toque à nuca... arrepia!
Uma palavra sussurrada...
Meu chamado delicado
A morta e a viva — emaranhado!

Bem pior que minha mordida
É perder-me em teu olhar
Que arranca de mim a vida
Que já não tenho a suportar

Então que seja, hoje, assim
Só o leve toque e o arrepio
E o beijo que não se deu

Por que a pressa em seduzir
Aquilo que já é meu?



Nenhum comentário:

Postar um comentário