Visitas

Restou-me correr — resto de lucidez
Recusei-me a morrer — mais uma vez
E o quanto deixava para trás
Repetindo a cada passo: nunca mais
Maiores eram os campos
Onde, talvez,
Eu ficasse em paz

Era tamanho o desatino
Tão intensa a tempestade
A rebentar o coração já pequenino
Que num clamor de desespero ancestral
Fiz tremerem o austral e o boreal
E o céu tomou-me a nebulosidade
E chovemos e choramos
Até a saciedade
Até a saudade...

Sem saber se era chuva ou se era choro
Deixei-me à relva — escoadouro
E de toda água que vertemos
Nasceram as flores que colhemos
E com as quais enterraremos
Sob o mármore molhado
A melhor memória tua


Nenhum comentário:

Postar um comentário