Visitas

Compus-te por inteira
Criei a harmonia do sorriso com o olhar
Fiz a melodia do timbre e o tom de voz
Fiz a pauta a duas vozes

Da clave de sol fiz tuas curvas
Dos teus seios, sustenidos
E de tua feminilidade
Escrevi-me em bemóis

Depois de pronta a partitura
Toquei-te com tanto amor e ternura
Que o orgasmo virou música
E o cansaço pediu bis

Mas eis que o invejoso vento
Que de música só conhece o assobio
Entrou na sala esgueirando-se à fresta
Da janela e ventou-te as partituras

Tantas pautas se perderam
Vi escaparem nota a nota
Nossos corpos sem o compasso
Sem o tempo, sem o tom, desafinados

Do piano antigo quase nada resistiu
Do auditório adormecido
Até as tintas da parede feneceram
Do pianista ficaram ao chão

Os sonhos e os acordes
Do concerto inacabado
E esse sonho tão cansado
De tocar-te uma vez mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário