Visitas

Aqui em cima, menina
Viste? Escondido no telhado
No campanário da igreja
Estou lá, condenado
Ainda que não me vejas

Sou aquele que te assiste
Que vigia, solitário
Sou a sombra que te segue
O fantasma que persegue
O amor que não senti

Olha por sobre os ombros
Quem sabe de canto de olho
Me encontras, já sumi!
Onde estás?!
Desapareci...

Meu nome é nunca fui
Me chamo nunca serei
E ainda assim estarei ao lado
Daquela que me possui
O desejo de sempre ter sido

Sou o olhar sobre ti que pressentes
O arrepio da noite presente
Sou aquele que sabes quem é
Mas não lembras o rosto que chora
E que logo a rir — de ti —não demora

Sou teu arrependimento
Pelo resto da vida sombria
Por ter sido tão dura e fria
Com o amor que de nascimento
Pereceu dentro de mim

Estarei toda noite a teu lado
E todo dia te acompanharei
Até que o medo e a insanidade
Te tornem sombra também
E um só lamento
Seremos enfim

Nenhum comentário:

Postar um comentário