Visitas

Chuva
Terra
Poça lamacenta
Em que atolo
Enterro
Lama nos pulmões
Sou a argila
Em tuas mãos

Molha
Molda
Seca-me no fogo
Da paixão
Esfria
Cerâmica que enfeita
A mesinha
Cabeceira

Noite
Sonhos
Chama outro nome
Me derruba
Quebro
Volta à poça lamacenta
De outras chuvas
E traz mais um alguém
Que diz que ama

Moringa quebrada no chão
Menina bonita que chora
Faz mais uma na oficina
Tem pressa quem namora
Quem me ensina?
O coração

Nenhum comentário:

Postar um comentário