Visitas

Não faço ideia
Nem gosto
De ter vindo parado aqui
Ter sido chamado por ti
E transposto essa aleia
De flores podres

Meu nome era silêncio
Talhado em pedra
Meu rosto era incenso
Memória inconcreta
Meu sono eterno
Meu sonho, inferno

Diz-me, pois
O que tu queres
Se nós dois
Não mais esperes
Mas me leva
Se quiseres

Se uma vela
Acenderes
E com ela
Me guiares
Como guiavam-me
Teus olhares

Nenhum comentário:

Postar um comentário