Visitas

E foi assim que ele a encontrou
Sozinha olhando o mar
Pensando em se livrar
Do que peso que a esmagou
E imaginando se valeria a pena
Arriscar deixar a dor amiga
Velha companheira
Por uma liberdade obscena
Uma mentira em forma de cantiga
Quem sabe, uma bricadeira

Procurou-a por todo o lado
Por toda a vida
O tempo todo
E achou-a no fim da esperança
Prestes ele também
A perder-se no mar da bonança

Reconheceram-se
E o mar perdeu-se em seus olhos
Ao se perderem de nossos olhares

Nenhum comentário:

Postar um comentário