Visitas

Atirada ao chão
Ossos quebrados
Esperança derramada
Na calçada
Como o sangue quente
Que já ruborescera a gente
Desesperançados...

Ainda respirando
(ainda há tempo)
Arranco o que resta
Do coração
Ah, ele não presta!
E ainda assim me dói a alma
Que já se vai, me abandonando

No último suspiro
Ilumina-me a escuridão
Só precisava livrar-me
De toda a emoção
Que agora se vai
Com minh'alma
Meu coração
E, para sempre,
Com teu nome

Nenhum comentário:

Postar um comentário