Visitas

Não trago nada sublime
Imagine
Beijos e amores
Amantes sonhadores
Minha musa dorme de dia
E me atiça de noite
Quando a coruja pia
Sou essa letra maldita
Que regurgita
Toda imundície cruenta
Que de dia fede à menta
Descrevo pesadelos
Amaldiçoadas almas
Casais felizes já deram no saco!
Nem rima merecem, asco!
Ah, não sou o poeta das mocinhas
O autor de corações apaixonados
Sou aquele que arranca vinhas
E fermento vinhos mais encorpados
Abandonai-me! Não me ledes mais!
Não estou nas estantes
E nem nos salões
Estou nos hesitantes
E malditos corações
Que jamais encontraram paz...


Nenhum comentário:

Postar um comentário