Visitas

Um brinde de absinto
Por toda poesia imunda
Sem rima e que fere
A todo aquele que espera
- e busca -
Alguma luz de poemas
Já cansados de amores
Também cansados

Aceito o gole impuro
Da bebida amarga da vida
Oferecido pelas musas
Rameiras, sujas e putas
Que me lançaram no beco
Amaldiçoado da literatura
Maldita do desterro
E assim mesmo eu as amo
Perdido nelas e nas ruelas

Saúde às máscaras
Sorridentes e alvas
Que escondem o podrido
E o fodido dia a dai do mundo
Iludido, de felicidade torta
Forçada, falsa e enganosa
Que sonham com amores
Para sempre
Porque só para sempre
É a morte

Espalhai minhas páginas
Ao vento e ao relento!
Queimai meus livros
Que jamais publiquei
E nem publicarei
Porque pertenço à noite
E à noite não se lê
Porque é escura

Bebo toda a taça
De La Fée Vert
E me afogo no próprio vômito
Das palavras negras
De que o mundo é cheio,
E feito, cobertas com todo
O fedor das cores mentirosas
E lodosas em que vos afogais
Rindo
De quê?!, Ó, Fúrias!, Ó, Moiras!

Ao menos eu,
O maldito escritor miserável
Sei do que rio à morte
Sorrio para a vida
Pois ela jamais será
Capaz de me derrotar
Na felicidade cadavérica
Do engodo que é a realidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário