Visitas

Fica, pois, musa
Como guardiã fiel
Do que escrevo
Sobre ti, por tua causa
Ou outrem que me apontes

Que sejam minhas mentiras
Seladas em teu peito
E deixa as verdades tolas
Enganarem a quantos permitirem

E se alguém as quiser roubar
Ou ler - posto que é coisa mesma
Pede que te mostre a chave
Que abre
A porta da minha alma

Nenhum comentário:

Postar um comentário