Visitas

Deixei que entrasses
Mas querias a chave
Do submundo
Da escuridão
Que nem a mim me pertence

Não a tinha
Ma tomaste
E foste
Assim mesmo
Sem lanterna, pista
Mapa, guia
E encontraste

E destruíste com as próprias mãos
O que restava
Oculto nas trevas
De sentimentos virgens
De sonhos ainda por nascer
Apenas para me beijar
E me deixar
Manchado do sangue
De que te banhaste

Teus lábios
Ainda mais vermelhos
Nos espelhos
Partidos
Dos teus olhos

Nenhum comentário:

Postar um comentário